Seja você a mudança no trânsito

No Brasil o Dia Nacional do Trânsito é comemorado em 25 de setembro, data inserida na Semana Nacional do Trânsito, que ocorre entre 18 e 25 de setembro. Instituída em 1997, a semana objetiva a realização de eventos de conscientização das pessoas em relação ao trânsito. Compete ao Conselho Nacional de Transito definir a temática.
Estima-se que no país cerca de 45 000 pessoas morrem por ano em virtude de acidentes de trânsito. Em 2013, o SUS registrou 170.805 internações por acidentes de trânsito e gastou R$ 231 milhões no atendimento às vitimas. Em breve exercício de memória recordaremos alguns amigos ou familiares que engrossaram essa estatística.
Curiosamente, um dia antes de iniciar a campanha, uma menina de dois anos foi atropelada e morta em Ribeirão Preto. O acidente ocorreu no prolongamento da Avenida Eduardo e Andrea Matarazzo, conhecida por Via Norte, defronte à favela Mário Costas.
A tragédia reúne vários elementos que demonstram problemas de trânsito e falta de planejamento urbano. Os pais acompanhavam a pequena Eloá, no entanto, circulavam pelo pavimento asfáltico. A alegação é de que no local não existem calçadas. O motorista da Kombi, que estava com os pneus carecas teria sido fechado por um caminhão que após a manobra indevida se evadiu do local. Uma sucessão de erros gerou mais uma morte que poderia ter sido evitada.
Moradores do local protestaram pedindo a instalação de redutores de velocidade, placas e sinalização de solo. Os motoristas reclamam quando as vias estão esburacadas ou com imperfeições, mas basta manter o pavimento em perfeita condição de dirigibilidade que eles aumentam a velocidade e os pedestres começam a pleitear lombadas.
Vale lembrar que aquela via já conta com a presença dos contestáveis radares móveis. Quanto a solicitação de lombadas, o Código de Trânsito Brasileiro determina que qualquer obstáculo a livre circulação e a segurança de veículos e pedestres, tanto na via quanto na calçada, caso não possa ser retirado, deve ser devida e imediatamente sinalizado. No parágrafo único do artigo 94 está previsto: “É proibida a utilização das ondulações transversais e de sonorizadores como redutores de velocidade, salvo em casos especiais definidos pelo órgão ou entidade competente, nos padrões e critérios estabelecidos pelo CONTRAN”. Talvez semáforos, sinalização de solo e passarela seja a melhor alternativa.
O certo é que o poder público deve disponibilizar todo o aparato tecnológico para garantir a fluidez segura do trânsito, o cidadão, por sua vez, deve atentar aos princípios básicos de segurança ao dirigir e também ao ambular. A cautela excessiva das primeiras aulas de direção, costumeiramente dá lugar à agressividade, falta de gentileza e atenção. Bebidas alcoólicas e falta de manutenção nos equipamentos são outros elementos que colaboram para os infortúnios.
Ao propor o período de 2011 a 2020 como “Década Mundial de Ações Para a Segurança no Trânsito: Seja VOCÊ a mudança no Trânsito.” O Denatran destaca a importância de alertar e conscientizar todos sobre a necessidade de mudança de atitude tanto de condutores como de passageiros, pedestres e ciclistas.
Somos todos atores de um grande espetáculo que é a vida em sociedade. Se cada qual desempenhar seu papel com responsabilidade, o show estará garantido. Se alguém falha a consequência é o drama e a fatalidade.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *