Os Brics e os temas populacionais

Uma das notícias abafadas pela folia carnavalesca foi a realização da reunião dos representantes do Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul, no último dia 12, em Brasília. O seminário do grupo Brics priorizou temas importantíssimos como: urbanização e migração rural-urbana, mortalidade materna, aids e doenças sexualmente transmissíveis, diferenças de gênero no mercado de trabalho, igualdade de gênero e o papel da mulher em cuidar das crianças e idosos dependentes.
A troca de experiências é muito importante para verificação do que já avançamos e dos desafios que precisamos superar. Quando comparado com a Índia, por exemplo, observamos que as mulheres brasileiras avançaram muito mais do que as indianas, mas apresentam similitudes entre as quais a diferença de gênero no mercado de trabalho, as grandes diferenças salariais, apesar de qualificações proporcionais. Lá também as mulheres trabalham fora e são responsáveis pelas tarefas domésticas.
Quando o tema é implementação de infraestrutura integrada e serviço público de qualidade, as experiências da China de desenvolvimento integrado do rural e urbano são inspiradoras. Eles desenvolveram o PADIS (Administração de Informação, População e Decisão). Trata-se do primeiro sistema nacional eletrônico do governo que analisa parâmetros demográficos a partir da base anual da população, taxa de fertilidade total, expectativa de vida no nascimento e taxa de imigração com a finalidade de conduzir projeções populacionais.
Os parceiros, inclusive o Brasil, podem a partir desse modelo realizarem melhores planejamentos estratégicos sociais. Medida que possibilitará aprimorar as políticas públicas na área da saúde, educação, seguridade social e emprego.
Outros problemas comuns que merecem soluções compartilhadas dizem respeito aos fluxos migratórios e a existência de diferenças sociais e geográficas que resultam em discriminação por idade, raça, gênero e etnia. Recentemente, a Rússia, a partir de indicadores de acessibilidade nas diferentes esferas: emprego, informação e comunicação, transporte, cultura, proteção social e sistema de justiça, direitos políticos e eleitorais, aprimorou sua legislação para garantir direitos às pessoas com deficiência.
Vivendo ampla prosperidade econômica, a África do Sul, ainda, apresenta elevados indicadores de famílias destruídas pela mortalidade materna e infantil, provados pelos efeitos do vírus HIV. A experiência brasileira nesse setor da saúde é referência para todos. Nossos parceiros também desejam implantar ações semelhantes aos exitosos Minha Casa Minha Vida, Programa de urbanização de favelas, políticas para as mulheres e combate à pobreza.
Ao elencar prioridades para o período de 2015 a 2020, os Brics destacaram as metas de troca de informações e conhecimento e a cooperação no desenvolvimento coletivo de ações estratégicas visando o crescimento econômico condicionado ao crescimento social. Se países conseguem essa integração, qual a dificuldade de estados e municípios adotarem a mesma prática?

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *