As Visões Distorcidas

Milhões de pessoas possuem problemas oftalmológicos, sendo que os mais conhecidos são a miopia, a hipermetropia e o astigmatismo. Nos míopes o globo ocular é muito longo, assim a visão é turva e desfocada para objetos distantes. Quem possui hipermetropia tem o globo ocular muito curto, a visão é mais embaçada, principalmente em objetos pequenos e os mais próximos. Já no astigmatismo, a visão fica desfocada, dificultando a leitura e provocando falta de nitidez de objetos próximos ou distantes. A boa notícia é que a maioria dos casos pode ser corrigida com lentes ou com cirurgias.
As alterações na visão alteram a forma como observamos e compreendemos as coisas. Um objeto será visto de modo diferente pelos que possuem a visão normal e pelos que possuem alterações oftalmológicas. O mesmo ocorre quando transportamos o conceito de visão para os campos da política, economia e religião. A diferença é que todos trazem uma grande carga de interpretação e compreensão, aliada aos distintos interesses.
Há pessoas que enxergam determinadas coisas e situações de um modo específico, porque possuem alguma imperfeição visual, outras porque querem enxergar daquele modo por ser mais conveniente. Quando nos deparamos com alguma situação, podemos adotar diferentes maneiras de enxergar, interpretar e agir. O momento em que o Brasil e o mundo atravessam proporciona diferentes visões, interpretações e ações que podem ser influenciadas pela distorção ocular ou intelectual, ou ainda, pelo jogo de interesses.
Sabidamente nossa economia precisa de ajustes para retomar o crescimento e nesta semana a equipe econômica do governo reduziu a meta do superávit primário do setor público de 2015 em razão da nítida queda na arrecadação federal provocada pela retração na economia. Uma atitude que reduz incertezas do mercado e amplia a transparência das contas públicas. Outras medidas como a desoneração da folha salarial e a reforma do Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS) devem ser adotadas.
Nosso país possui vocação para ser grande e próspero, não pode se tornar refém da especulação estrangeira, tão pouco de grupos internos que defendem apenas os próprios umbigos. O momento exige a criação de uma agenda positiva. Devemos sanar os problemas estruturais, buscar o crescimento equilibrado aliado ao compromisso com a justiça social e manutenção do emprego e renda.
Em uma sociedade onde as visões apocalípticas e as ilusionistas convivem em uma estranha harmonia, o espaço para a visão realista deve ser maior. Analisar problemas, apontar soluções e se colocar a disposição para revolvê-los são deveres de todos. Promover o caos para ganhar dividendos econômicos e políticos, isto sim é ato de lesa-pátria.
Talvez os piores cegos sejam aqueles que não desejam ver. De outra senda existem aqueles que veem até de mais, pois se em terra de cego quem tem um olho é rei, vivemos um tempo onde há mais reis do que súditos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *